27_11_imprensa_cartola

Bom senso: A/C Imprensa e Cartolas

Uma declaração descontextualizada. Um lance esporádico. Uma articulação nos bastidores. Esses três episódios movimentaram a semana do futebol brasileiro. O Bom Senso FC, criado pelos jogadores, infelizmente parece não ter chegado a parte da imprensa e cartolas.

1) A declaração descontextualizada – A/C Imprensa

O Cruzeiro é com todos os méritos o campeão do Brasileirão 2013. O título veio com quatro rodadas de antecedência. Na partida seguinte, um empate em Minas Gerais contra a virtual rebaixada Ponte Preta. Depois, uma derrota fora de casa para o Vasco que luta para fugir da degola. Resultado nada atípico, levando-se em consideração os objetivos dos clubes no campeonato.

Mas a vitória vascaína ficou em segundo plano. Isso porque uma das inúmeras câmeras de vídeos espalhadas pelo Maracanã captou uma declaração de Júlio Baptista a Cris. “Faz logo outro (gol)”. Os dois envolvidos deram a mesma explicação: o zagueiro havia pedido para o Cruzeiro “amaciar”, pegar leve. Se quer um jogo mais tranquilo, Cris, “faz logo outro”, disse Júlio.

Vale lembrar que naquele momento o jogo estava 2×0 para o Vasco e terminou 2×1. O diálogo é normal entre os boleiros. Imagina uma pelada com os amigos. Você com 30 anos, marcando um menino de 18. “Segura aí, moleque. Para de correr”. “Quer moleza? Vai pra banheira fazer gol”, retruca o jovem.

2) O lance esporádico – A/C Imprensa

Ganso é um bom jogador. Teve seu grande momento no Santos, quando nos primeiros anos pairava a dúvida: “Quem é melhor: Ganso ou Neymar?” Hoje, a resposta está na ponta da língua de quem acompanha o futebol.

Ganso foi transferido para o São Paulo, ficou muito tempo na reserva e desde que Muricy voltou, é um dos titulares do Tricolor. Alternou boas apresentações e jogos em que pouco fez. Tem seus lampejos de craque e às vezes faz grandes jogadas. Nada mais.

Mas Ganso é um dos queridinhos da imprensa. Seu nome é com frequência ventilado nas convocações da seleção brasileira. Mais até do que outros jogadores que fizeram uma temporada muito melhor, como é o caso de Diego Tardelli, campeão da Libertadores com o Atlético-MG.

O cúmulo do imediatismo de alguns veículos de comunicação ficou claro nessa segunda-feira (25/11), quando Seedorf foi convidado do Bem-Amigos, do SporTV. Durante o programa, exibiram uma bela jogada de Ganso e perguntaram ao holandês se ele teria lugar no futebol italiano. Seedorf disse “não” para o espanto do apresentador e comentaristas. Não satisfeitos com a resposta, quiseram comparar Ganso a Zidane e ainda afirmaram que Pirlo corria tão pouco como o meio-campista do São Paulo. Confiram:

3) A articulação nos bastidores – A/C Cartolas

Poderia citar dois episódios. O primeiro, do caso Júlio Baptista. Mas Portuguesa, Criciúma, Fluminense e Coritiba decidiram que só irão entrar com ação contra Cruzeiro e Vasco, posteriormente. Cômodo, né? Se caírem, tentam virar a mesa. Se livrarem em campo do rebaixamento, esquecem o caso. O Bahia é o único que cobra desde já a abertura de inquérito no STJD.

A outra articulação é ainda mais absurda. Com a liderança do Coritiba, e a participação de Vasco e Fluminense, os três clubes analisaram as súmulas do Brasileirão para encontrar uma brecha para rebaixar Ponte Preta, Portuguesa e Criciúma. A brecha encontrada foi a que limita em cinco o número de jogadores transferidos de outras equipes da Série A. Assim, os três clubes perderiam seis pontos cada. Entenda melhor o caso na matéria do canal ESPN.

A boa notícia é que diversos torcedores do Coxa, Bota e Flu se mostraram contrários a uma possível virada de mesa. E a notícia esfriou. Por enquanto…

Categorias: Campeonatos / Clubes / Fora das 4 linhas / OpiniãoPágina inicial

Gabriel Godoy

Jornalista; frustrou-se na tentativa de ser um jogador profissional; peladeiro; apaixonado por futebol de campo, de rua, de botão, de vídeo-game...

Veja todos os posts de

Veja também: