06_11_cruzeiro

Cruzeiro, um campeão incontestável

Antes do início do Brasileirão, Atlético-MGCorinthians e Internacional eram apontados por muitos especialistas como favoritos ao título. Ao melhor estilo mineiro, o Cruzeiro foi comendo pelas beiradas e merecidamente é o Campeão Brasileiro de 2013. Mesmo que a matemática ainda insista em dizer que não.

No próximo domingo, quem sabe a matemática se renda aos encantos desse time do Cruzeiro. Basta vencer o Grêmio no Mineirão e o Atlético-PR tropeçar em casa diante do São Paulo. Assim, o clube seria o campeão com a maior antecedência (cinco rodadas) e o único a ganhar de todos os seus adversários, um fato inédito na história dos pontos corridos.

Marcelo Oliveira é o principal responsável pela conquista. Chegou sob a desconfiança de boa parte da torcida, especialmente por suas “raízes” atleticanas (foi jogador e treinador das categorias de base do Galo). Montou um time novo, que nada fez lembrar os “Cruzeiros” dos últimos anos. Foi um cala-a-boca aos críticos que garantiam que um time recém-formado não seria campeão dos pontos corridos. O Cruzeiro era um time pra 2014, afirmavam.

As 11 lições do Cruzeiro de Marcelo Oliveira.

1- A Casa: O Mineirão é a casa do Cruzeiro. De 2010 a 2012, a Raposa saiu de Belo Horizonte mas não se firmou em outros estádios. Nesse ano, perdeu apenas cinco pontos no Gigante da Pampulha (na ponta de baixo, o Náutico se complicou ao abrir mão de jogar nos Aflitos, onde teve a 4ª melhor campanha do Brasileirão de 2012).

2- A Torcida: a sinergia entre torcida e jogadores foi decisiva. O Cruzeiro tem a melhor média de público desse Brasileirão. Seedorf admitiu: “quando estávamos (Botafogo) brigando ponto a ponto pela 1ª posição, o Cruzeiro estava lotando o estádio todos os jogos, e nós não”.

3- O Banco: não se ganha um campeonato de 38 rodadas com 11 titulares. O Cruzeiro tem reservas de luxo que seriam titulares em muitos clubes do Brasil. Mayke, Henrique, Júlio Baptista, Dagoberto (ou Willian) são alguns exemplos.

4- A Raça: que a técnica é importante, não se discute. Mas não há cruzeirense que prefira a técnica de Diego Souza à versatilidade e raça de Ricardo Goulart. O esforçado atacante Willian que veio como moeda de troca na negociação de Diego Souza conquistou a torcida em pouco tempo, coisa que o talentoso meia não conseguiu durante todo o 1º semestre.

5- O Profissional: nunca duvide da idoneidade de um profissional. Não importa se Marcelo Oliveira é ou não atleticano. É um empregado do Cruzeiro e se dedica ao máximo ao clube.

6- O Simples: nada de volante como lateral, zagueiro de volante, armador de centroavante. Marcelo Oliveira faz o simples. Cada um na sua. É preciso de banco para isso, é claro!

Éverton Ribeiro em uma de suas arrancadas pelo Cruzeiro no Brasileirão 2013

Éverton Ribeiro em uma de suas arrancadas pelo Cruzeiro no Brasileirão 2013

7- O Craque: Éverton Ribeiro é o craque do Brasileirão. Assistências, gols (alguns golaços), arrancadas e dribles são parte de seu repertório. O meia cansou de quebrar as retrancas dos adversários.

E o mais impressionante: não sofreu com lesões e desfalcou o time em apenas uma rodada quando cumpriu suspensão automática diante do Santos no Mineirão. Coincidência ou não, em um dos dois jogos que o Cruzeiro perdeu pontos no estádio.

8- A Juventude: Lucas Silva (20) entrou no time e não saiu mais. Mayke (20), Élber (21), Alisson (20) e Vinícius Araújo (20) são outros garotos da base que tiveram suas oportunidades e corresponderam. Os jovens Dedé (25), Éverton Ribeiro (24) e Ricardo Goulart (22) contratados em 2013 são indispensáveis no esquema de Marcelo Oliveira.

9- A Experiência: Não menos importante, a experiência de Fábio (33), Ceará (33), Bruno Rodrigo (28), Egídio (27), Nilton (26), Willian (26) Dagoberto (30) e Borges (33).

10- O Paredão: Todo bom time começa por um bom goleiro. Fábio opera milagres e falha muito pouco. Sua regularidade só não conquistou os técnicos da seleção brasileira. Vai entender. Mas sem dúvida, é o maior merecedor desse título.

11- A Matemática: Jogar pelo empate fora de casa é abrir mão de dois pontos. Uma vitória e duas derrotas valem mais que três empates. O Cruzeiro venceu 8 dos 16 jogos como visitante. É o líder do Brasileirão também nesse quesito.

Categorias: Campeonatos / Clubes / OpiniãoPágina inicial

Gabriel Godoy

Jornalista; frustrou-se na tentativa de ser um jogador profissional; peladeiro; apaixonado por futebol de campo, de rua, de botão, de vídeo-game...

Veja todos os posts de

Veja também:

  • infobox_ronaldinho_feed

    Infobox #5 – Ronaldinho Gaúcho

    A carreira do craque Ronaldinho Gaúcho. Participe da promoção e concorra ao DVD "R49, o Meteoro Atleticano".

  • infobox_cam_chamada-blog

    Infobox #4

    A campanha do título do Galo na Libertadores 2013, rumo ao Mundial

  • Group F Japan v Brazil - World Cup 2006

    TEXTOS ANTIGOS DE UMA VELHA COPA

    Muitas vezes nos deparamos com textos, fotos ou objetos antigos que estavam esquecidos em nossa memória, mas tiveram um papel importante em nossas vidas.