Flamengo v Atletico Paranaense - Brazilian Cup 2013 Final

Dia de Libertadores. Noite de Hernane

Não importa que o adversário não era nada assustador e que poderia haver até uma goleada. Na Libertadores, vencer é o que importa.

Não importa o esquema errado onde o principal organizador da equipe fica encostado na direita, enquanto um argentino bem sem-sangue fica no papel da criação. No segundo tempo, entra um menino que até janeiro era desacreditado e muda o jogo.

Não importa o lateral fora de forma vaiado em toda partida. Uma jogada inteligente na ponta e um cruzamento rasteiro simples garantem sua boa nota no jornal no dia seguinte.

Não importa o time perdido taticamente. Perto de 40 mil pessoas, ele consegue se achar.

Desde a dúvida nas arquibancadas, até a euforia quando no placar aparecia “Hernane 9″ na escalação. Desde o alívio com o primeiro gol e a quebra do ferrolho, até a explosão quando ele balançou a rede. Ou, apenas, “brocou”. Eles vibraram, mais do que o normal. Era o possível último gol do rapaz vestindo a camisa rubro-negra.

O jogo era importante, mas não vida-ou-morte. O dia era de batalha no campo, mas também da provável despedida de um indivíduo que ganhou o coração de milhões.

Um “perna-de-pau” com a canela mais precisa do mundo, um “pereba” que nasceu virado pra Lua, um xodó que virou ídolo.

Exagero chamá-lo de ídolo? Pergunta para aqueles 40 mil.

Pois lá dentro daquele Maraca, até quem é a favor de sua venda não resistiu a cantar “Fica, Hernane!”.

Então, ele se emocionou. E dentro do campo, agradeceu-os, retribuindo como sempre fez.

Sem precisar de muito, pois nunca precisou. Nada mais que uma chance, um toque. Para ele, basta, é suficiente.

E enquanto preparava o “texto da despedida”, me deparo com a notícia de que ele fica.

Assim, não foi seu último jogo. Foi apenas a certeza do reconhecimento, e de que uma nação o ama.

Éverton foi o melhor em campo, Gabriel entrou para mudar o jogo.

Mas a noite de quarta-feira foi dele.

Com um toque, um gol e 40 mil gritando seu nome.

E para felicidade geral da Nação, que tanto clamou “Fica, Hernane!”, diga ao povo que ele ficou.

Texto originalmente publicado em 27/02/14 no Blog Condição Legal (veja o post original).

Categorias: ColaboradoresPágina inicial

Leonardo Leal

Estudante, tem 18 anos e o sonho do jornalismo esportivo. Pereba com a bola no pé, quer viver do futebol de alguma forma. Entre outras coisas, odeia eleição, pois são dois domingos onde a bola não rola.
http://legalcondicao.blogspot.com.br | @_LeoLealC

Colaborador do FUTBOX | Seja um blogueiro do FUTBOX.

Veja também:

  • E o primeiro turno é azul

    Para Sandro Andrade Batista, colaborador do Blog do FUTBOX, Cruzeiro, Grêmio, Internacional e Corinthians terminam no G-4 do Brasileirão.

  • velho cronista destacada

    A seleção que ninguém mais vê

    Nenhuma dessas metamorfoses melancólicas pela qual o nosso futebol passa imprime mais pavor do que o tristíssimo e irrevogável abandono da Seleção Brasileira.

  • _futebol-nutella

    O FUTEBOL NUTELLA, O SAUDOSISMO E O TEMPO QUE PERDEMOS

    A história do futebol é uma triste viagem do prazer ao dever. Ao mesmo tempo em que o esporte se tornou indústria, foi desterrando a beleza que nasce da alegria de jogar só pelo prazer de jogar.