Japan v Mexico: Group A - FIFA Confederations Cup Brazil 2013

Futebol, uma vitrine

Junho de 2013. Entra em vigor o reajuste de R$0,20 nas tarifas dos ônibus de São Paulo. Manifestantes foram às ruas protestar contra o aumento. Houve confronto com a polícia. A notícia virou manchete nos principais jornais e adeptos do movimento surgiram em todo o país. Não apenas pelos R$0,20, mas contra a repressão da PM, contra a corrupção, contra a PEC 37… As manifestações chegaram aos jornais estrangeiros: o Brasil estava a dias de sediar a Copa das Confederações, uma espécie de treino para o Mundial de 2014.

28_06_revolta_dos_bondes

Revolta dos Bondes – São Paulo, 1947

Os protestos continuaram e cresceram durante a realização do torneio da FIFA, que também virou alvo dos manifestantes. O mundo todo olhava para o Brasil. Nos anos 40, o país viveu situação parecida. Eurico Gaspar Dutra assumiu a presidência em 1945 e já no ano seguinte o Brasil foi confirmado como sede da Copa de 50. Em 1947, estourou em São Paulo a “Revolta dos Bondes”. O aumento no preço das passagens despertou a ira da população que foi às ruas, pichou e incendiou bondes. Um clima de incerteza pairava sobre o Brasil.

É indiscutível que o futebol é uma grande vitrine. Não à toa, Benito Mussolini fez questão de que a Itália sediasse o Mundial de 34. Era a oportunidade de se promover e promover o regime fascista que implementara no país. Em 1970, Emílio Garrastazu Médici aproveitou o sucesso da seleção de Pelé, Tostão e cia para fazer propaganda política da ditadura militar.

Mundialito - Uruguai 1980.

Mundialito – Uruguai 1980.

No entanto, algumas vezes o tiro sai pela culatra. Foi o caso do Mundialito de 1980 no Uruguai, que celebrava os 50 anos da Copa do Mundo e reunia as seleções campeãs mundiais – a Holanda, vice-campeã em 1974 e 1978, substituiu a Inglaterra. O país vivia um regime militar e nas vésperas do torneio, um plebiscito indicou o desejo da população para uma abertura democrática. Na final (Uruguai 2 x 1 Brasil), os uruguaios gritaram pela 1ª vez: “vai acabar, vai acabar a ditadura militar”. O futebol mostrava ao mundo a insatisfação do povo com a ditadura, extinguida em 1985, quando Julio María Sanguinetti assumiu a presidência do país.

Conheça essa história no documentário Memórias de Chumbo: o futebol nos tempos de Condor, dirigido e produzido pelo jornalista da ESPN Brasil, Lúcio de Castro. (ver entre 38’20″ a 41’20″).

Em 2010, no último ano de seu mandato, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou: “Queremos deixar um legado de melhoria nas condições de vida do nosso povo”. O Brasil vai deixar esse legado ou o tiro vai sair pela culatra?

Categorias: Fora das 4 linhas / SeleçõesPágina inicial

Gabriel Godoy

Jornalista; frustrou-se na tentativa de ser um jogador profissional; peladeiro; apaixonado por futebol de campo, de rua, de botão, de vídeo-game...

Veja todos os posts de

Veja também:

  • _capa chave da morte

    A Chave da Morte na Copa da Rússia

    As oitavas vão começar! No mata-mata o negócio é diferente, fica muito mais emocionante, ainda mais com a novidade dessa Copa: a "Chave da Morte"!

  • Group F Japan v Brazil - World Cup 2006

    TEXTOS ANTIGOS DE UMA VELHA COPA

    Muitas vezes nos deparamos com textos, fotos ou objetos antigos que estavam esquecidos em nossa memória, mas tiveram um papel importante em nossas vidas.

  • velho cronista destacada

    A seleção que ninguém mais vê

    Nenhuma dessas metamorfoses melancólicas pela qual o nosso futebol passa imprime mais pavor do que o tristíssimo e irrevogável abandono da Seleção Brasileira.